Aprovação de lei que concede utilidade pública ao Instituto Ryan Beretta causa polêmica em Colatina

Compartilhar no facebook
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no google
Compartilhar no twitter
Compartilhar no email
Compartilhar no print

Um dos principais grupos de aplicativos, chamado de “Política Colatina” fez uma denúncia que tornou-se uma das maiores polêmicas da atualidade no município. Foi revelado por um de seus membros que a Câmara Municipal de Colatina havia aprovado utilidade pública para uma empresa inapta. A repercussão foi tanta que iniciou uma série de questionamentos por parte da população. 

Agora, tanto o Ministério Público Estadual quanto o Federal estão acompanhando as atividades da Câmara de Colatina, no tocante ao fato de terem declarado a empresa de utilidade pública..

A empresa ora focalizada tem o nome de Fundação Ryan Beretta, cujo titular é um conhecido empresário colatinense. A aprovação da empresa como utilidade pública dá a mesma inúmeros benefícios.

Embora aprovado pela Câmara o prefeito de Colatina Guerino Balestrassi vetou o projeto, em razão da empresa não estar devidamente qualificada para receber esse tipo de benefício, inclusive constando em seu contrato social diretores com remuneração. Em recente reunião a Câmara derrubou o veto do prefeito.

Segundo o Procurador Geral do Município, Eliseu Victor Souza, “o estatuto do instituto previa a possibilidade de remuneração de dirigentes e distribuição de lucros, além de não ter o compromisso de publicação anual da receita e despesa arrecadada. Por ser exigência da lei municipal, recomendamos o veto e o prefeito acatou”, afirma o procurador.  

O PROJETO

O vereador Wanderson Rodrigues, apresentou o projeto de lei  número 117/2021 onde declara utilidade pública o instituto Ryan Bereta, situado no bairro Marista. Após o referido projeto de lei ser aprovado pelos vereadores, o prefeito Guerino Balestrassi vetou, voltando o processo para o plenário da Câmara, onde os vereadores derrubaram o veto do prefeito, efetivando a lei em questão.

VETO DO PREFEITO DE COLATINA, GUERINO BALESTRASSI.

Prefeito de Colatina veta projeto de lei.

AS REDES SOCIAIS E GRUPOS DE APPS

O assunto quase passa despercebido, mas com as redes sociais e grupos de aplicativos cada vez mais ativos, em um dos grupos de whatsapp, os próprios cidadãos colatinenses cuidaram de investigar a matéria e a constatação geral é a de que o instituto não possuía condições técnicas para operar. 

Nos comentários e vídeos entre a população, se questionou que o criador da lei, o vereador Wanderson Rodrigues é ex-funcionário do proprietário do instituto, causando estranheza entre os colatinenses.

ATA 

Segundo o relato do Jornal Diário do Noroeste, na última quarta-feira (13), vazou o conteúdo completo da lei onde uma ata do instituto foi exposta com nomes de 100 pessoas. Várias pessoas e parentes delas, que viram seus nomes na lista, ficaram perplexos pois nunca ouviram falar desse instituto ou tão pouco estiveram presentes nesta reunião que ocorreu em Colatina.   

Ainda segundo o jornal, a tesoureira do Instituto é a esposa do presidente Ryan, a senhora Neusangela Segrini, que em ata, declarou que houve quórum suficiente conforme manda a lei. 

PEDIDO DE CANCELAMENTO

O vereador Wanderson Rodrigues, protocolou o pedido de cancelamento da lei 117/2021. 

Pedido de cancelamento.

Segundo o Procurador Geral do Município, Dr Eliseu, os vereadores podem aprovar projeto de lei revogando a lei anterior.

O caso em pauta, será levado ao Ministério Público Estadual (MPES) para apuração dos fatos, para que se faça uma investigação com possíveis indiciamentos.

CONHEÇA AS CAUSAS DO VETO

Documento público.

O QUE DIZ A FUNDAÇÃO RYAN BERETTA

 

10 respostas

  1. Meu Deus do Céu que isso! Pelo que consta, não é uma Fundação sem fins lucrativos! Parabéns ao Prefeito municipal de Colatina pelo veto. E aos vereadores, a eleição está chegando e vocês verão nas urnas a resposta do Povo de Deus! A política deve ser para o bem comum e não privilegiar alguns!

  2. Esse vagamundo usou meu nome na criação de pseudo instituto. Não o conheço (melhor não o conhecer…safado…porque seria ruim…) e jamais consenti utilizar meu nome. Quero providências 🤝🤝💪💪

  3. Será que os edis sabem o que é assessoria jurídica? E ainda revogaram o veto do Prefeito após suas alegações. Efetivamenre não houve nenhum equívoco ai, porém há indícios de má fé.
    Meu Deus, já é hora de acabar com esse sistema de representação política e pensar em uma forma democracia direta.

  4. Caramba, e muita safadeza de alguns vereadores. Não tem lógica aprovar um instituto desse. E roubar a população colatinense na cara dura mesmo. Muita indignação com a câmera de vereadores de colatina.

  5. A cada dia a gente vê isso , esses políticos estão achando que a população colatinense e trouxa , vê um projeto sem noção e que aliás teve aprovação na Câmara dos vereadores, olha aí no que dá votar por que é amigo ou pq ganhou algo no final sai muito caro

  6. É inadmissível.
    É inaceitável.
    Que legisladores eleito por nós e pago por nós.
    Tenham cometido um ato desse.
    Subestimando nossa inteligência e a nossa capacidade de aceitar o que eles os vereadores estão fazendo.
    É desanimador para mim.
    Como pai contribuinte cidadão e profissional de comunicações.
    Engolir o quê esses cidadãos que nós colocamos na casa de leis do nosso município estarem agindo e se comportando dessa forma.

  7. Vergonha total dos vereadores de Colatina.
    TODOS assinaram aprovação do regime de urgência da tramitação do projeto. APROVARAM o referido.
    Após veto do prefeito Balestrassi, DERRUBARAM O VETO, não obstante todas as justas alegações feitas.
    Vergonha….

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Receba notícias exclusivas diariamente no seu celular