Uma das mais tradicionais lojas de Colatina, fecha suas portas após 60 anos

Share on facebook
Share on whatsapp
Share on google
Share on twitter
Share on email
Share on print

A Garage Primavera, renomada loja das bicicletas fecha as portas após 60 anos de vendas, consertos, reparos e acessórios dos Camelos na ensolarada cidade do noroeste capixaba. Esta semana, o dono Dausther Negreli Júnior, 50 anos decidiu bater o martelo. Encerrou de vez as atividades ao emparedar ao meio o amplo salão visando alugar os pontos comerciais na privilegiada Rua Cassiano Castelo, no coração do centro comercial e financeiro de Colatina. 

Antes do adeus, a loja recheada de prateleiras com peças sobressalentes, decorada de monarks e calóis na entrada, agora foi ocupada por barulhentos pedreiros de máscaras por conta da pandemia. As bikes que viviam enfileiradas na porta povoaram o sonho da garotada à espera do Papai Noel ao longo das seis décadas no ramo das esbeltas Magrelas.  

Enquanto pode, Júnior Negreli manteve a corrente da equipe de vendas girando na Garage Primavera até o momento do acerto final com os nove funcionários.  “Eu comecei como empregado. Balconista aos 15 anos ao lado do meu pai Dausther. Era um bom vendedor. Estou aqui dentro há 35 anos, não deu mais para continuar devido ao estresse do comércio. A conjuntura nos levou a isso. É uma fase que se encerra e busca de novos rumos”, frisou. 

A doença avassaladora do Covid-19 que estancou a economia mundial, não pesou tanto no fim da garage, mas deu sua espetada.  “Já havia tomado a decisão, o risco de contágio desmotivou com a queda da venda”, resumiu. 

“Meu pai também iniciou como empregado na loja pertencente a Ademar Faria. Lixava quadros. Depois comprou o estabelecimento. Passou pra mim. Meu irmão Fabrício chegou trabalhar uns tempos, mas preferiu fixar no ramo de material de construção”, contou Júnior Negreli.

O médico e escritor Ademar Faria Júnior, filho de Ademar confirma que seu pai foi criador da Garage Primavera e a comandou por quase 20 anos no final dos anos 50 e 60. Ele me contava sobre a loja sim. Chegou a ser eleito vereador na Câmara de Colatina entre os anos de 1960 e 64. Foi preso pelos militares pelo simples fato de ser do PDT. Formou-se em Direito. Mudou para Linhares onde atuou como advogado.  Vendeu a Primavera a um empregado chamado Dausther” destacou.

Garage Primavera vendia mais de 1 mil bicicletas por mês o ES

A Garage Primavera tornou-se uma referência no Norte Espírito Santo e na Grande Vitória, aonde chegou a funcionar três filiais, em Cariacica (Campo Grande), Vila Rubin (Vitória) e Vila Velha (Glória).

Em Colatina, a colorida porta de aço da loja pincelada a letras garrafais vermelhas e azuis relembra o tempo em que a bicicleta era meio de transporte e objeto de consumo do povo na efervescente Colatina dos Anos de 1960.

Júnior Negreli lembra que durante o Plano Cruzado em meados de 1980, a firma vendia mais de um mil bicicletas por mês. “Chegavam dois caminhões lotados, um para sede que distribuía para municípios do Norte até Mantena (MG), em Minas e outro para filiais do grupo em sociedade com Augusto Favoretti.  

A sociedade foi desfeita mais tarde, porém a empresa de Cariacica continua a manter viva no letreiro a célebre marca colatinense.

– Sobre o adeus? A gente sente sim, afinal foi uma vida aqui dentro, desabafou.

De acordo com Negreli, seu pai Dausther faleceu aos 69 anos de problemas cardíacos em 2014.  Uma clássica bicicleta a Svalan original fabricada na Suécia em 1947 – é a ultima lembrança do esplendor da garage que sai do mercado ‘com a missão cumprida de popularizar a bicicleta na região’.

A relíquia de duas rodas está avaliada em R$ 15 mil, preço estipulado no mundo dos colecionadores. Ela marca a evolução da bicicleta desde que Garagem Primavera acompanhou passo a passo as mudanças das bikes seja esportiva com as catracas de marchas, infantil ou utilitária no decorrer das seis décadas da casa.

Atrás do balcão por mais de 16 anos, Fábio Belato diz deixar para trás boas lembranças da Garage Primavera, na sua visão A J.C.A Bicicleta fez a diferença ao montar um veículo de durabilidade e aceitação.

Júnior Negreli também viu passar diante dos seus olhos dezenas de modelos de bicicletas que marcaram época, entre as suas favoritas cita a Monark Positron 10. “A diferença era o guidão para baixo e o câmbio”, enumerou.

ESFALA/Informação Jornalista Nilo Tardin

Mais Notícias

Deixe um comentário