Populares evitam que mulher se jogue de prédio no centro de Colatina

Compartilhar no facebook
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no google
Compartilhar no twitter
Compartilhar no email
Compartilhar no print

Uma tarde de segunda-feira (13) de muita tensão em Colatina. Por volta das 15:30h uma tentativa de suicídio chamou a atenção da população, na rua Alexandre Calmon. Mas o que o ESFALA, quer abordar não é esse triste fato, e sim a atitude de alguns moradores e comerciantes da região, que contribuiu e muito para que o pior não acontecesse.

Com a possibilidade de uma mulher se jogar de um prédio, no centro da cidade, a população ao redor se aglomerou para ver o que estava acontecendo, mas, ao invés da passividade de meros espectadores, as pessoas que presenciavam a cena iniciaram uma comunicação aos gritos, para que o pior não acontecesse. Palavras de carinho e afeto saiam pela garganta de algumas pessoas com força e fé.

Por várias vezes a sensação era de que o pior poderia acontecer, mas sempre neste instante, uma voz, ecoava dando força a cidadã para que ela repensasse suas intenções suicidas. E foi assim por longos minutos. 

A  atitude corajosa de algumas pessoas fizeram a diferença neste instante. Mesmo sabendo que a atitude tomada poderia ocasionar um desfecho triste, três  cidadãos foram até o local onde  a mulher estava, e iniciaram um diálogo fraternal com a mesma, que por várias vezes ameaçava se jogar do prédio.

Quando as esperanças de retirar a mulher do local se findavam, pois um simples impulso ocasionaria sua queda ela recebeu a sugestão de ligar para os seus familiares ,e ao receber o celular, no momento que discava foi agarrada com toda a força, e retirada do abismo da morte.

Em entrevista com um dos participantes e principal personagem deste resgate, Juliano Guimarães, conhecido como Batoré, “disse que a dor interna da pessoa era intensa, e com muita conversa, e com a atitude certa, uma vida foi salva”.

É a segunda vida que Juliano Batoré ajuda a salvar neste ano. Há algumas semanas atrás uma camionete caiu de uma altura de aproximadamente 15 metros dentro do Rio Santa Maria, e ele estava lá. descendo ás  margens do rio, e retirando o cidadão da cabine do automóvel evitando o afogamento do motorista.

Atitudes assim, não são indicadas para um cidadão comum, pois a falta da técnica correta pode ocasionar o pior. Pois os profissionais que fazem resgates deste tipo, são preparados, estudam, e tem as técnicas necessárias para lidar com situações mais adversas. 

Mas o que fazer numa situação onde o risco de morte é iminente, e cada segundo significa a possibilidade de uma vida a menos? Uma coisa é certa: As  pessoas que ali estiveram, as que gritaram, dando força a pessoa, pedindo para que o pior não acontecesse, e aos que subiram e arriscaram as suas vidas para resgatar uma outra vida, tiveram a certeza naquele momento, de que tomaram a atitude certa.  

5 respostas

  1. Glória a Deus que tinha pessoas certas, na hora certa , no lugar certo. Engrandecido seja o senhor por está vida ter sido salva.

  2. passei na hora desse triste acontecimento com final feliz, eu fui 1 dos que estavam gritando da rua pra ela não pular, dizia que Jesus te ama e sua família tbm, ela respondia que amava nada, teve um momento que ela fez o sinal da cruz e iria se jogar, foi a hora que Chegou alguém pra conversar com ela na cobertura, mas, sempre ameaçando se jogar a cada investida do rapaz, o que mais me deixou triste nisso, foi um senhor já de idade, aparentando ter 65 a 75 anos, mandando a moça se jogar logo e que não pulasse encima do carro e que ela consertase o dano ao carro, ele foi repreendido pela população local e ele saiu envergonhado. mas que bom que essa moça decidiu pela vida, certamente se ela se jogasse do prédio abaixo não sobreveviria de forma alguma. Glórias à DEUS por esse livramento dado a ela. depressão é uma doença da alma e não é frescura!!!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Receba notícias exclusivas diariamente no seu celular