Descaso ou desinformação? Em tempo de pandemia o colatinense faz filas para receber o auxílio emergencial da Caixa

Share on facebook
Share on whatsapp
Share on google
Share on twitter
Share on email
Share on print

Em mais um dia de saques do auxílio emergencial do Governo Federal, no valor de R$ 600, as agências da Caixa Econômica Federal de Colatina amanheceram mais uma vez com fila e aglomeração em meio a pandemia do coronavírus. Por volta das 8h20, os contribuintes estavam na fila da agência do Centro de Colatina.

A situação não é exclusiva do município e vem se repetindo também em várias cidades da região e em outros Estados. Além do saque, muitos buscam por orientação sobre como realizar o cadastro no site e aplicativo da Caixa. É o caso do autônomo Ângelo Soares Peixoto “Estou tentando buscar informação sobre como me cadastrar no site e aplicativo, nunca dá certo. Sempre é a mesma coisa, roda, roda e no final diz que deu link expirado”.

Um levantamento feito pela Caixa apontou que apenas uma pessoa a cada cinco que buscaram as agências presencialmente na segunda-feira (27) tinha direito na data ao saque do auxílio emergencial oferecido pelo Governo Federal. Segundo a Caixa as filas enormes, que voltaram a acontecer nas portas das unidades nesta terça (28) e quarta (29), são formadas, em grande parte, por pessoas que não fazem parte do público alvo do atendimento presencial.

O Banco reforça o pedido para que a população só se dirija às agências e casas lotéricas em último caso. Mas segundo moradores de Colatina na prática a realidade é outra. “Não dá pra fazer as coisas pelo aplicativo ou site, não funciona, já tentei, mais até hoje não consegui”. Afirma o colatinense que se deslocou do interior na terça-feira (28), para conseguir ser atendido na quarta-feira (29). Jorge Maria no momento da reportagem, às 12h26, não havia conseguido acesso ao atendimento.

Pai, mãe, adultos e idosos, se arriscando em uma fila, no período de pandemia para conseguir R$ 600 reais, destinado pelo Governo Federal. Mesmo a céu aberto, pela proximidade dos contribuintes, existe a chance de contrair a doença, já que o distanciamento social não é cumprido.

Foto ilustrativa captada nas redes sociais.

Mais Notícias

Deixe um comentário