Interior tem 65% dos óbitos e 73% dos casos de Covid-19. Veja os números atualizados de Colatina

Share on facebook
Share on whatsapp
Share on google
Share on twitter
Share on email
Share on print

Colatina contabiliza 107 mortes ocasionadas pela Covid-19 até às 15 horas desta sexta-feira (28). Desde o início da pandemia já ocorreram 11.497 notificações sendo que dessas, 5.468 são positivos. Dos contaminados pelo novo coronavírus, até a presente data, 4.653 venceram a Covid-19 e 779 estão em tratamento domiciliar lutando contra a doença.

Nesta quinta-feira (27) mais 44 casos do novo coronavírus foi contabilizado no município de Colatina. A cidade permanece entre primeiros lugares em contaminação entre as cidades do interior. Por semanas Colatina figura entre as três cidades com o piores índices de isolamento social. Durante quase todo o período Colatina oscilou entre 41% a 43%.

MAIS MORTES NO INTERIOR

Os números de novos casos e de óbitos diários de Covid-19 no Espírito Santo se assemelham aos registrados no final do mês de maio, quando o Estado estava próximo do pico da pandemia, atingido em meados de junho. A declaração foi feita pelo subsecretário de Estado de Vigilância em Saúde, Luiz Carlos Reblin, durante coletiva de imprensa realizada na tarde desta terça-feira (25) junto ao secretário de Estado da Saúde, Nésio Fernandes.

“Houve uma redução de 26% dos casos, comparado com os últimos 14 dias, e uma redução de 18% de óbitos se comparado com os últimos 14 dias. Com essa redução, os números de hoje se equiparam aos valores médios do final de maio”.

Atualmente, destacou Reblin, 65% dos óbitos e 73% dos casos estão no interior do Estado. “Essa é a relação da pandemia entre os municípios da Grande Vitória e interior”, declarou, no dia em que o Painel Covid-19 confirmou 107.191 casos e 3.068 óbitos pela doença. 
O cenário atual, enfatizou o subsecretário, não são compatíveis com as aglomerações que estão ocorrendo nas cidades. “As aglomerações que estamos vendo ferem severamente o regramento estabelecido” e “colocam em risco tudo o que conquistamos até hoje”, afirmou.

“Se um estabelecimento pode funcionar até determinado horário, com afastamento mínimo de mesas e lotação, fugir a essas regras é trazer para si, para o dono do estabelecimento e para quem frequenta, uma responsabilidade legal e principalmente de consciência. Se alguém adoecer e for a óbito, é possível estabelecer um vínculo”, advertiu.

Para o secretário Nésio Fernandes, “nós conseguimos resistir ao pior momento assistencial entre final de maio e junho”, o que levou a uma flexibilização de atividades sociais e econômicas. Essa “requalificação das medidas [de isolamento e distanciamento social]”, no entanto, “aumenta a responsabilidade dos cidadãos no cumprimento da etiqueta respiratória, uso de máscara e distanciamento para que retomada das atividades não comprometa a queda mais acelerada de casos e óbitos que esperamos nesse momento”, asseverou.

“A letra por si só é morta. As pessoas precisam dar vida a essa letra e o risco real de contaminação e perder muitas vidas ainda existe. A pandemia não acabou. Temos ainda uma boa jornada até a chegada da vacina e do tratamento especifico”, alertou. “A aposta feita em tratamentos laboratoriais não consegue reduzir os óbitos e casos e há cada vez menos adesão a opção medicamentosas que não modificam a evolução da pandemia”, salientou.

“Nós entendemos que o momento ainda é crítico e muito perigoso. Apesar de termos passado do pior momento do total de casos e internados, temos um momento que pode distribuir por mais tempo que esperávamos casos graves e novos, e óbitos, por conta do não respeito aos protocolos de distanciamento social necessários que se encontram cada vez mais sob responsabilidade da sociedade civil, das instituições. Temos exortado os municípios que aumentem a fiscalização sobre indisciplina social que exponha a riscos”, argumentou.

Letalidade e mortalidade

Luiz Carlos Reblin explanou sobre as taxas de letalidade e mortalidade do Espírito Santo para a Covid-19. A primeira, atualmente em 2,9%, está abaixo da média nacional e refere-se à proporção de pessoas confirmadas com a doença que evoluíram a óbito. “Significa que aqueles que adoeceram foram muito bem cuidados”, comentou.

Já a mortalidade, que é a relação entre o número de óbitos e a população total do Estado, está um pouco acima dos demais estados. “Temos um ótimo sistema de investigação e praticamente todos os nossos óbitos já estão classificados se foram por Covid ou outra doença”, disse Reblin.

Além da testagem abrangente, o subsecretário alega que outros estados não chegaram ao mesmo estágio da pandemia que o Estado, tendo acumulado um número menor de óbitos em relação à população. “É importante ao final da pandemia poder analisar outros fatores, como a população idosa capixaba, por exemplo, que foi mais suscetível ao óbito que a população em geral”.

Mais Notícias

Deixe um comentário