Covid-19: procura por oxímetros aumenta nas farmácias de Colatina

Compartilhar no facebook
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no google
Compartilhar no twitter
Compartilhar no email
Compartilhar no print

Como aconteceu com as máscaras de proteção e com a cloroquina, tem havido agora uma “corrida” pelo oxímetro, aparelho parecido a um pregador de roupas que é colocado em um dos dedos da mão e que mede o nível de oxigênio no sangue e os batimentos cardíacos. Em poucos segundos, os dados são apresentados no visor. 

Em Colatina, a demanda repentina causou um aumento de até 70% nas vendas do produto. Em algumas farmácias, a procura intensa quase zerou os estoques. Em uma farmácia localizada na avenida Getúlio Vargas, no Centro, o farmacêutico Jackson Batista disse que percebe esse reflexo desde o começo da pandemia, mas com essa nova variante está maior. Ele explicou que o preço do aparelho depende da marca, podendo variar de R$ 170 até R$ 240. Em média, de 5 a 10 pessoas entram no estabelecimento procurando pelo oxímetro. 

Já em uma farmácia no bairro São Silvano, na avenida Sílvio Avidos, a farmacêutica Tamires Ferreira também notou um aumento na procura do produto. O perfil desse comprador é guiado por pessoas que já foram contaminadas ou por monitoramento preventivo. “Depois que o paciente sair do hospital, ele vai ter que acompanhar a saturação do oxigênio no sangue”, frisou. No estabelecimento em que atua, o preço do oxímetro pode variar entre R$ 180 e R$ 190. 

Segundo vendedores de outras farmácias, a busca pelo dispositivo cresceu porque muitas pessoas têm usado o equipamento para medir a oxigenação e saber se estão com algum problema respiratório, um dos principais sintomas da Covid-19.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Receba notícias exclusivas diariamente no seu celular