Após aprovação de lei federal, advogado trabalhista de Colatina explica como as gestantes podem se afastar do trabalho

Compartilhar no facebook
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no google
Compartilhar no twitter
Compartilhar no email
Compartilhar no print

Foi sancionada recentemente a lei que garante à empregada grávida o afastamento do trabalho presencial durante o período da pandemia de covid-19. De acordo com o projeto, a funcionária gestante vai ficar afastada das atividades presenciais sem prejuízo do salário. Ela deve ficar à disposição para exercer as atividades em casa por meio de teletrabalho, trabalho remoto ou outra forma de trabalho a distância. 

Apesar disso, há muitas dúvidas em relação ao assunto, uma vez que patrões e colaboradoras precisam alinhar a carga horária de trabalho mediante a nova determinação do Governo Federal. O advogado trabalhista, João Paulo Pelissari Zanotelli, que atua no 1º andar do Edifício 61, na rua Cassiano Castelo, no centro de Colatina, explica como se dá a nova lei que afasta as gestantes do ambiente de trabalho. 

“É uma legislação vigente desde 12 de maio, que determina que as empregadas gestantes sejam direcionadas ao teletrabalho, com a intenção de proteger as profissionais para que elas tenham a segurança de um trabalho mais tranquilo durante a gestação. É uma lei que substitui o serviço presencial pelo teletrabalho, sem prejuízo à remuneração da gestante”, contou. João Paulo informa o que deve ser cumprido pelos empregadores. 

“As mulheres gestantes que ainda não foram afastadas do trabalho, que procurem o seu empregador, que conversem sobre a situação. Tem direito a estabilidade desde a confirmação da gravidez até cinco meses após o parto”, frisou. 

O advogado trabalhista ressaltou ainda que mesmo com o afastamento do ambiente de trabalho, a licença-maternidade continua sendo garantida às gestantes. “De forma alguma, sem prejuízo da licença-maternidade. Inclusive, a própria lei fala: sem perda de sua remuneração. É como se ela estivesse trabalhando presencialmente. Então, vai continuar o salário normal, contribuição para o INSS normal e com direito à licença-maternidade após o parto”, concluiu. 

O projeto aprovado no Senado é do ano passado e a medida vale enquanto durar a chamada emergência de saúde pública de importância nacional, causada pela pandemia do novo Coronavírus. Em caso de dúvidas, procure um advogado trabalhista. O profissional é o mais recomendado nos casos em que há direitos a serem cumpridos e seguidos por trabalhadores e empresas.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Receba notícias exclusivas diariamente no seu celular