Colatina já registrou mais de 20 casos de coronavírus entre crianças com até 9 anos. Veja orientação de pediatra

Share on facebook
Share on whatsapp
Share on google
Share on twitter
Share on email
Share on print

De acordo com as últimas atualizações da Secretaria Municipal de Saúde, a covid-19 também tem avançado entre os mais jovens. Os dados mostram que 21 crianças de até 9 anos de idade já foram diagnosticadas com coronavírus em Colatina.

Segundo os números apresentados no Painel Covid-19, 11 crianças de 0 a 4 anos testaram positivo, para a doença e outras 10, com idades entre 5 e 9 anos, também tiveram casos de coronavírus confirmados.

A faixa etária que concentra o maior número de casos é de pessoas entre 30 a 39 anos ( 384 casos confirmados), seguido por pessoas com idades entre 40 e 49 anos (243 casos confirmados).

No total, já foram registrados no Estado até o momento 30 mortes e 3.877 casos. Ao todo, 709 pacientes se recuperaram da doença.

Pediatra orienta sobre cuidados com crianças:

Para tentar combater o Novo Coronavírus e a transmissão da doença entre as crianças, adultos e idosos, medidas simples devem ser adotadas entre as pessoas, de acordo informações do médico pediatra Dr. Rodrigo Abbud. 

Ainda segundo explicações do médico, quando o assunto está relacionado às crianças, é preciso que haja mais cuidado. O pediatra ressalta as pequenas ações para que os pequenos não sejam infectados e consequentemente virem transmissores do vírus. 

“Nós vivemos uma epidemia sim, mas todos nós somos responsáveis e precisamos tomar medidas de prevenção que são simples, como sempre lavar as mãos. O uso do álcool em gel também é uma ação eficaz. Precisamos sempre lembrar as crianças que devemos manter as mãos afastadas do rosto. Nós não devemos coçar os olhos e depois levar ao nariz ou a boca”.

Ainda de acordo com Abbud, outras medidas simples não devem passar despercebidas. “Precisamos mudar o hábito de tocar as pessoas. Tem gente brincando e dizendo vamos cumprimentar com pés ou cotovelos? Acho isso sadio e neste momento é que precisamos reforçar os cuidados. Evitando o aperto de mão, do abraço. Precisamos evitar o toque, precisamos mudar a conduta diante de lugares com aglomerações”, disse. 

Quanto aos estudos suspensos temporamente, o médico acredita que a medida de suspender às aulas, como foi anunciado na tarde de segunda-feira (16) pelo governador do Estado Renato Casagrande, possa ser uma medida precoce,  já que pesquisas apontam para o pico da doença para os próximos 15 dias. 

Rodrigo Abbud falou ainda sobre as medidas de etiquetas respiratórias, como tossir ou espirrar sobre o cotovelo. “Nós precisamos estimular e mudar nossa cultura, com medidas simples e eficaz. Ao espirrar ou tossir, sempre cubra o rosto com o cotovelo e de imediato lave as mãos”, concluiu. 

ES-FALA/Informação TV Vitória / Record TV/Folha Vitória.  

Mais Notícias

Deixe um comentário