Venda de ivermectina dispara em Colatina. Farmacêutico revela exemplo de sucesso em outro país

Share on facebook
Share on whatsapp
Share on google
Share on twitter
Share on email
Share on print

Nesses últimos dias de pandemia, ocorreu uma intensa procura em drogarias e farmácias de ivermectina, fármaco utilizado contra parasitas na infestação de piolho, sarna, oncocercose, estrongiloidíase,  ascaridíase e elefantíase. 

Segundo o Farmacêutico colatinense, Paulo Cezar Scárdua, a Ivermectina, tem como principal aspecto a permeabilidade da membrana celular do parasita o que resulta da paralisia e morte do mesmo. Pesquisado e criado em 1975 e lançado no mercado mundial em 1981, faz parte de medicamentos essenciais da OMS (Organização mundial da saúde). 

Está sendo bastante discutida entre os pesquisadores se deve ser considerada como tratamento preventivo da nova pandemia provocada pelo Covid 19 (SARS Cov-2). Países menos providos de saneamento básico, baixa qualidade de vida, problemas de saúde pública, enfim, exemplo: a Etiópia, um país africano e um dos mais pobres do mundo, sem quase nenhum cuidado com a higiene pessoal e comunitária e tem cerca de 120 milhões de habitantes, metade da população do Brasil, houve pouquíssimas mortes provocada pelo Covid-19, e a questão mais importante é que talvez coincidentemente o uso de ivermectina é praticamente usado por toda a população da Etiópia.

Outros países em estados de miséria e implantado “obrigatoriamente” o uso da ivermectina, o índice de mortalidade foi baixíssimo com relação a países de muito menos população e de grande potencial econômico e cultural que teve uma enorme taxa de mortalidade, como países europeus por exemplo. “Mas devemos ter a consciência do uso racional de medicamentos e procurar atendimento profissional por segurança da própria vida”. Afirma o farmacêutico.

É importante ressaltar que não há confirmação científica em relação a eficácia do medicamento no combate ao Covid-19.

Mais Notícias

Deixe um comentário