DNIT retira radares da BR-259 em Colatina e moradores voltam a conviver com motoristas que abusam da velocidade

Share on facebook
Share on whatsapp
Share on google
Share on twitter
Share on email
Share on print

Quem mora perto da BR 259, em Colatina, está preocupado. A maioria dos radares foi retirado e os moradores voltaram a conviver com os motoristas que abusam da velocidade. Num trecho da BR, na altura do bairro Santa Helena, numa curva, os veículos passam em alta velocidade. O radar que ficava no local foi retirado há cerca de 2 meses. Desde então o sono dos moradores da área nunca mais foi a mesmo.

Antes da instalação do radar vários acidentes graves ocorreram no local. Em 2011 uma carreta saiu da pista e atingiu uma casa que ficava na parte de baixo do barranco. O motorista morreu e os moradores protestaram pedindo uma solução ao Dnit. A casa precisou ser reconstruída. Os moradores da rua Vitório Cosme estão sem entender porque o radar foi retirado.

No bairro São Marcos apenas um radar continua funcionando em um dos acessos a comunidade. O equipamento que ficava na outra entrada também foi retirado. No ponto, um menino de 7 anos morreu atropelado por uma motocicleta quando atravessava a pista. Foi em junho de 2014 quando ainda não existia nenhum tipo de redutor na área.

Só no trecho da BR 259 que corta a sede de Colatina o Dnit retirou os radares que ficavam em 4 pontos; dois no Colúmbia nos acessos ao bairro que pra piorar é dividido pela Rodovia.

Por ser um caminho para Baixo Guandu e para Minas Gerais o fluxo de veículos é constante e pesado. As carretas passam o tempo todo nos dois sentidos e muitas pessoas se arriscam atravessando a pista. No local só tem uma faixa de pedestre. Por isso muita gente cruza a rodovia fora da faixa.

Por causa dos acidentes, alguns com mortes, os moradores do Colúmbia reivindicam a instalação  de outro radar, mas em vez de atender ao pedido o Dnit  tirou o que tinha e a situação piorou.

De acordo com um morador a segurança no trânsito está precária principalmente próximo da escola onde as crianças têm que atravessar o asfalto.

Foi o que também aconteceu no trecho conhecido como Curva do Cassani marcada por muitos acidentes. O pedido de um radar é antigo, mas o equipamento nunca foi instalado. Em vez disso o redutor que ficava próximo dali foi retirado. O equipamento ajudava a controlar a velocidade no acesso ao polo industrial onde a movimentação de carretas é constante.

O radar também está fazendo falta no distrito de Baunilha que é cortado pela BR 259. A movimentação de pessoas de um lado para o lado da pista é grande e muito perigoso. A única faixa de pedestre que existe no trecho  está quase apagada e sem nenhuma acessibilidade.

Em Baunilha, o Dnit começou a construir dois quebra molas. Quanto aos radares o órgão federal não deu qualquer resposta.

Mais Notícias

Deixe um comentário