Documentos históricos devorados por traças e cupins em Colatina

Compartilhar no facebook
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no google
Compartilhar no twitter
Compartilhar no email
Compartilhar no print

Parte da memória documental desta cidade vem sendo devorada por cupins, traças, brocas e outras pragas que atacam o Arquivo Público de Colatina.

“Jogada as traças” é a expressão correta para definir a situação do depósito atual de livros e publicações dos poderes públicos municipais.

Sem critério técnico de catalogação, raros documentos históricos estão embolado pelos cantos em meio a pastas de papéis administrativos da prefeitura de Colatina.

O tempo é a principal ameaça destes guardados da memória colatinense. Como isso não é trabalho para qualquer um, a papelada é consumida impunemente pelo voraz apetite do inimigo dos livros.

Dois exemplos ditam a falta de interesse e cuidado na preservação da história da região deixada pela administração passada. Ainda mais nesta hora que a Princesa do Norte se veste de Rainha para comemorar 100 Anos de emancipação a 30 de dezembro de 2021.

Exemplares inteiros da coleção encadernada do jornal O Colatinense foram dizimadas pela infestação.

As fotos recentes de páginas e páginas rasgadas ou corroídas de O Colatinense fundado em 1953 causaram indignação ao delegado de polícia Landulpho Lintz.

Nos anos de 1990, Lintz impediu a saída de um caminhão carregado de documentos oficiais rumo ao incinerador do Sanear (Serviço Colatinense de Saneamento Ambiental).

“O arquivo público carrega a história de vida da cidade. Se destroem esses registros fica o sentimento de vazio. De apagar nossa memória. É muito sério. Resta a sensação de desmando”, disse Lintz ao sugerir a necessidade de estabelecer uma política de conservação preventiva de papéis históricos.

O segundo exemplo é o sumiço de quatro raros Livros de Actas legislativa entre 1857 a 1906.

Os livros relatam o dia a dia do gigantesco município da foz do Rio Doce a divisa de Minas Gerais. Os anais foram arrancados a força de Linhares pela tropa de jagunços liderados pelo Coronel Alexandre Calmon, o Xandoca em 1906. As atas não estão sendo encontrada no arquivo pelos servidores.

“Desesperadora é a melhor forma para definir essas condições do arquivo local. Passou da hora de digitalizar tudo. Contratar pessoal especializado historiador, arquivistas e bibliotecário”, sugere o advogado Ubirajara Douglas Vianna.

Outro Lado

O ex-prefeito de Colatina Sérgio Meneguelli diz que já encontrou o antigo arquivo público abandonado.

“As instalações estavam de um modo muito esquisito. Autorizei alugar um local adequado. Na época fui procurado sobre o extravio das atas legislativas históricas. Eu terei que questionar a minha ex-secretária de administração responsável por esse setor. Em resumo. Ofereci condições de trabalho”, disse Serginho.

O prefeito de Colatina Guerino Balestrassi garante que vai tentar recuperar o arquivo público municipal.

Foto: Arquivo Atual Prefeitura

ESFALA/Jornalista Nilo Tardin

Deixe um comentário