Colatina chega ao triste número de 242 mortes provocadas pela Covid-19

Compartilhar no facebook
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no google
Compartilhar no twitter
Compartilhar no email
Compartilhar no print

O boletim Covid-19, que é publicado diariamente pela Secretaria Municipal de Saúde, contabiliza 242 óbitos até esta terça-feira (23) Foram registrados 96 novos casos da doença contra 50 curas registradas. Nesta segunda-feira (22), foram contabilizadas mais duas mortes em Colatina.

O total de casos confirmados da Covid-19 até a presente data é de 16.194 pessoas que foram contaminadas desde o início da pandemia. Destes encontram-se clinicamente curados 15.206. Encontram-se em isolamento social em suas residências 687 pessoas.

Na rede hospitalar tanto nos hospitais públicos como nos privados estão internadas no município de Colatina 59 pessoas.

VARIANTE INGLESA

Cerca de 1.345 pessoas do Espírito Santo foram infectadas pela nova variante do coronavírus, associada à cepa do Reino Unido, apontou um estudo apresentado pelo Laboratório Central do Estado (Lacen/ES) e divulgado pela coletiva de imprensa na tarde desta segunda-feira (22) Durante a pesquisa, quase 20 mil amostras foram recolhidas entre 1º de dezembro de 2020 e 18 de março deste.

O que chama a atenção, nesta nova versão do vírus, é o aumento dos casos positivos a cada mês. Em dezembro, dentro desse conjunto, eram 16 casos. Em janeiro, já havia 48 positivados. Em fevereiro, o número foi para 337 e chegou a 943 até meados de março. Ou seja, o aumento mais que dobrou de um mês a outro, apontando como a variante se propaga de forma rápida. 

“De fevereiro para março, nós praticamente dobramos a ocorrência dos casos de fevereiro em apenas 15 dias. Isso demonstra que essa variante tem a capacidade de expandir de uma forma extremamente violenta dentro do nosso Estado”, alertou o diretor do Lacen-ES, Rodrigo Rodrigues.

“O perfil que a pandemia vinha apresentando, de dezembro a março, indicava que alguma coisa estava acontecendo de diferente em relação aos outros meses que antecederam a pandemia. Existia alguma coisa que estava promovendo um crescimento mais acelerado”, indicou o diretor. 

 Segundo ele, já não era possível estabelecer ligação entre esse crescimento simplesmente ao descuido das pessoas em não praticar isolamento social e também não usar máscaras. “Uma possibilidade grande que a gente acreditava estar existindo também era que, associado a esse comportamento disfuncional, era a introdução de novas variantes”, explica Rodrigues, indicando a investigação da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) que identificou a presença da variante inglesa em Barra de São Francisco e que acendeu o sinal de alerta no Lacen.

A cidade, juntamente com Piúma, é considerada epicentro desta nova variante. Amostras da Grande Vitória não foram consideradas por serem remetidas em grandes quantidades, a partir de dezembro, a laboratórios particulares. Porém, segundo Rodrigues, nada impede que o Lacen solicite os exames da região metropolitana para que sejam analisados. 

Características

A variante inglesa do coronavírus apresenta uma alta carga viral e é capaz de infectar a população jovem. Também se dispersa e se dissemina de uma forma muito mais rápida. O estudo do Lacen afirma que a presença dela no Estado já é realidade. Enquanto não se alcança uma ampla parcela da população com as vacinas, Rodrigues reforça que as pessoas devem colaborar preventivamente para quebrar o ciclo de transmissão. “Só conseguiremos interromper se, de fato, for respeitado o isolamento social”, reforçou. 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Receba notícias exclusivas diariamente no seu celular