Comerciante é a 246ª vítima fatal da Covid-19 em Colatina

Compartilhar no facebook
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no google
Compartilhar no twitter
Compartilhar no email
Compartilhar no print

Um símbolo do imigrante que saiu de sua terra ainda jovem para conquistar uma vida melhor e proporcionar dignidade aos seus familiares se despediu de Colatina, nesta sexta-feira (26). O comerciante Pedro Domingos Vieira não suportou três semanas de internação motivada pela Covid-19 e faleceu, deixando como exemplos o trabalho, a luta e um amor incondicional à sua família.

Pedro da Livraria Brasil, como foi chamado por anos, perdeu o pai no Estado do Ceará aos 16 anos, e por, querer dar uma vida melhor à sua família, saiu de sua cidade no interior do Nordeste para tentar a vida no Estado do Espírito Santo. Não conhecia nada sobre o Estado capixaba, mas a necessidade o trouxe para Colatina.

Bem jovem começou a trabalhar no ramo de papelaria, onde após alguns anos de profissão ingressou na antiga Livraria Brasil, que ficava situada na Avenida Getúlio Vargas, no Centro de Colatina. Pedro, foi gerente da loja por 32 anos, até a extinção da mesma devido à morte do proprietário.

Com uma experiência de décadas, inaugurou sua própria loja, na rua D. Pedro I, no Bairro Esplanada, onde permaneceu por 15 anos. A papelaria era muito conhecida e, por sua fama consolidada no ramo, Pedro a registrou como a papelaria do Pedro, pois todos sabiam que o proprietário tinha vasto conhecimento no ramo e poderiam comprar com segurança pois uma das marcas que Pedro Domingos Vieira tinha era a da honestidade.

“Há três anos, com a morte de minha mãe, meu pai sentiu muito, pois nunca vi um amor tão lindo como dos dois, dizia que tinha perdido a razão de viver, mas pelo amor aos filhos e cinco netos, se mantinha firme. Meu pai, durante todos os sábados nestes 3 anos após a morte de minha mãe, ia visitá-la em seu túmulo. Nunca vi uma história de amor tão linda”. Revela o filho emocionado que foi batizado com o nome de seu pai, Pedro.

O cearense que imigrou para conquistar uma vida melhor para sua família tinha comorbidades. Sofria de enfisema pulmonar, asma, fibrose e alterações nos rins. Há três semanas começou a sentir-se mal e foi se consultar em um hospital particular no município de Colatina, quando foi diagnosticado com a Covid-19.

Estava em sua residência em tratamento domiciliar, mas após três dias seu estado de saúde piorou e foi internado em um hospital particular. Após dois dias na enfermaria, seu estado se agravou e foi transferido para a UTI onde ficou internado por mais duas semanas até não suportar as complicações provocadas pela Covid-19 e veio a falecer.

“Meu pai era uma pessoa generosa, sempre ajudava as pessoas, muitas vezes sem nem mesmo conhecer. Muitas pessoas estão entrando em contato, manifestando o carinho e admiração que tinham por ele. Muitas manifestações nas redes sociais, ligações e mensagens”. Revela o filho Pedro, triste pela perda do pai, mas visivelmente orgulhoso por fazer parte da história de um homem que deixa como legado o trabalho, a simplicidade, os sonhos e a decência enquanto ser humano.

5 respostas

  1. Muito educado, estive lá na papelaria no início do mês, e com toda educação e gentileza atendendo com muito amor , como fez durante toda sua carreira profissional. Saudade eterna

  2. Meus sentimentos a família!
    Pedro era realmente pessoa de bem. Lembro dele desde a Livraria Brasil, era estudante e ia lá comprar materiais, e atualmente já comprei na papelaria dele, excelente atendimento. Deus o receba em sua glória e conforte o coração de toda família 🙏🏽

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Receba notícias exclusivas diariamente no seu celular