Colatinenses que praticam pesca esportiva lamentam a retirada da Plataforma da Petrobras em Pontal do Ipiranga

Compartilhar no facebook
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no google
Compartilhar no twitter
Compartilhar no email
Compartilhar no print

Quem mora em Colatina ou em outros municípios da região e que frequentam quase sempre o Pontal do Ipiranga, em Linhares, vão ficar surpresos quando forem ao balneário, principalmente quem olhar para o mar. É que depois de anos de impasse, a Plataforma Cação, localizada a 8 quilômetros da costa, entre São Mateus e Linhares, começa a ser retirada, trabalho realizado por um guindaste da Petrobras. A informação é de Carlos Jaques Mazzei Ferreira, coordenador do movimento “A Plataforma é Nossa”. O local é considerado um recife natural, com formação de corais na estrutura submersa da plataforma, peixes e reprodução.

COLATINENSES PESCARAM PRÓXIMO À PLATAFORMA

Entre 2007 e 2010, Pontal do Ipiranga sediou campeonatos de Pesca Embarcada e Arremesso, sempre aos sábados. A saída para o mar era da Cabana Pioneiro, às 8h, e os participantes, sempre em dupla, tinham até às 16h para retornar. Os organizadores premiavam com troféus quem fisgava o maior peixe, a maior quantidade e ainda quem pescava o menor peixe, que ficava com o “Troféu Pereba”. O curioso é que a maioria dos pescadores seguiam rumo a plataforma, onde se concentrava ao redor da base da estrutura um grande número de peixes.

Na oportunidade, participaram do campeonato pescadores amadores e profissionais de Colatina, Linhares, Aracruz, São Mateus, Vitória, Vila Valério, Rio Bananal e até de cidades da Bahia, como Prado e Mucuri. Um grande público sempre marcava presença no evento e as pousadas ficavam lotadas.

A polêmica em torno da retirada da plataforma se arrasta há vários anos. Em 2016, o procurador da República, Guilherme Garcia Virgílio, instaurou um procedimento para impedir que a Petrobras removesse a estrutura. A decisão surge a partir de uma representação do movimento “A Plataforma é Nossa”. O despacho foi dado após uma audiência na sede do Ministério Público Federal-ES, em São Mateus, com representantes de associações relacionadas à pesca profissional e esportiva. 

‘É uma pena, quantas vezes estive lá. A quantidade de peixes em abundância transformou o lugar em um point de pescadores que vinham de várias partes do Estado do Espírito Santo e Estados vizinhos” Revela o pescador amador Zequinha Giacomin.

Leandro Aguillar, que já participou de torneios em quase toda costa capixaba, destacou a grande diversidade de peixes no local. “Vamos perder uma referência, pois nas proximidades da plataforma eram pescados diversos tipos de peixes a diversidade é fantástica”.


Foto captada nas redes sociais

No documento, o procurador pediu explicações à Petrobras sobre a desmontagem e remoção da plataforma, solicitando ainda cópias do projeto de desativação e das manifestações da Agência Nacional de Petróleo(ANP), do Instituto Brasileiro de Meio Ambiente (Ibama) e da Capitania dos Portos do Espírito Santo, que avaliaram e aprovaram o projeto. Até 2014, a Petrobras pretende desativar 18 plataformas em todo o Brasil. Os poços conectados às estruturas já foram desativados. 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Receba notícias exclusivas diariamente no seu celular