Aumentam reclamações contra empréstimo sem autorização do consumidor em Colatina

Compartilhar no facebook
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no google
Compartilhar no twitter
Compartilhar no email
Compartilhar no print

A pandemia da Covid-19 tem transformado o comportamento de toda a sociedade nos mais diferentes sentidos. Até mesmo o perfil das reclamações levadas aos órgãos de defesa do consumidor mudou, desde o ano passado. Além das tradicionais demandas em relação às empresas de telefonia e os problemas com assinatura dos canais de TV, que continuam encabeçando a lista do Procon, surgiram outras demandas. 

Uma delas está diretamente ligada às instituições financeiras que investiram mais na liberação de empréstimos diante do aumento do desemprego e do encarecimento dos alimentos e outros produtos de consumo regular das famílias. Segundo Bernardo Alvarenga, gerente de fiscalização do Procon de Colatina, em muitos casos o consumidor não é consultado sobre a liberação do crédito e acaba surpreendido com o dinheiro na conta e a cobrança das parcelas. 

Esta situação vem se repetindo bastante ao longo da pandemia, rendendo diversas reclamações no balcão do Procon: “É uma preocupação constante com relação a questões bancárias. Empréstimos consignados que não foram autorizados; os bancos depositam valores nas contas dos consumidores, que nem sequer têm conhecimento, não pediram e nem autorizaram. Esse tem sido um tema bastante recorrente e a gente tem dado atenção especial a esse assunto”, concluiu o gerente.

Bernardo deixa orientações importantes para situações assim: “O primeiro passo é procurar diretamente a empresa ou o banco que fez essa negociação, que disponibilizou esse crédito. Não tendo sucesso, ele pode recorrer à plataforma consumidor.gov na internet e deixar registrado uma reclamação, ou procurar o Procon prá que tenha um auxílio. O Procon notifica a empresa para que ela preste esclarecimento num prazo de 10 dias”.

Bernardo reforça aos consumidores a orientação para que jamais forneça números de documentos, cartão de crédito ou qualquer outra informação pessoal a desconhecidos, seja por telefone ou na internet. Só assim é possível reduzir o risco da pessoa cair em algum golpe estelionatário. O Procon de Colatina reforça que reclamações podem ser feitas pessoalmente na sede do órgão, que fica no térreo do Colatina Shopping, sala 19, na avenida Getúlio Vargas, no Centro. O atendimento é de segunda a sexta-feira, das 8h às 17h.

Uma resposta

  1. Parabéns pela brilhante matéria exposta do gerente de fiscalização Sr. Bernardo Alvarenga. Realmente alguns Bancos e Instituições Financeiras estão depositando dinheiro (fazendo empréstimo) nas contas das pessoas que são aposentadas, sem autorização deles. Tal procedimento irregular provoca ações de danos morais na Justiça contra essas Instituições.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Receba notícias exclusivas diariamente no seu celular