Veja a classificação de Colatina e cidades vizinhas no novo Mapa de Risco que entra em vigor na segunda (21)

Compartilhar no facebook
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no google
Compartilhar no twitter
Compartilhar no email
Compartilhar no print

Caiu de oito para cinco o número de municípios do Espírito Santo que estarão no risco alto para a covid-19 a partir da semana que vem. A atualização mais recente do Mapa de Risco foi divulgada no final da tarde desta sexta-feira (18) pelo governo do Estado.

Entrarão no risco alto, a partir da próxima segunda-feira (21), os municípios de Ibiraçu e Mantenópolis, que hoje estão no risco moderado. Já Ibatiba, Marataízes e Pinheiros continuarão na zona vermelha do mapa.

A maioria dos municípios capixabas continuará no risco moderado — 58 no total. Entre eles, estão todos os da Grande Vitória. Viana, que hoje está no risco baixo, também foi para a área amarela. 

As outras 15 cidades do estado estão no risco baixo. O 60º Mapa de Risco Covid-19 terá vigência até o domingo seguinte, dia 27.

Avanço

Para o governador Renato Casagrande, o resultado do Mapa de Risco representa um avanço do Espírito Santo no combate à covid-19. Ele destacou que o estado continua apresentando redução nos principais indicadores da pandemia.

“Nós avançamos. Caímos com o número de óbitos, estamos caindo percentual de internação. Estamos melhorando nossa situação, devido a todas as medidas que tomamos: abertura de leitos, orientação para que as pessoas possam cumprir todos os protocolos. Todo trabalho que a gente faz junto produz resultados e a gente salva vidas”, ressaltou.

VEJA A CLASSIFICAÇÃO DE COLATINA E CIDADES DA REGIÃO

RISCO BAIXO: Colatina, Baixo Guandu, Castelo, Itaguaçu, São Domingos do Norte, São Roque do Canaã.

RISCO MODERADO: Governador Lindenberg, João Neiva, Linhares, Marilândia, Pancas, Santa Teresa.

RISCO ALTO: nenhuma cidade que faz divisa com Colatina está classificada no Risco Alto.

Matriz de Risco

A Matriz de Risco de Convivência considera no eixo de ameaça: o coeficiente de casos ativos por município dos últimos 28 dias, além da quantidade de testes realizados por grupo de mil habitantes e a média móvel de óbitos dos últimos 14 dias. Já o eixo de vulnerabilidade considera a taxa de ocupação de leitos potenciais de UTI exclusivos para tratamento da Covid-19, isto é, a disponibilidade máxima de leitos para tratamento da doença. A estratégia de mapeamento de risco teve início em abril do ano passado.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Receba notícias exclusivas diariamente no seu celular