Coronavírus: Colatina inicia a semana com três mortes, 112 casos confirmados e último lugar em isolamento social

Share on facebook
Share on whatsapp
Share on google
Share on twitter
Share on email
Share on print

 Colatina, com aproximadamente 120 mil habitantes está sendo um dos municípios que mais adota medidas de prevenção contra o coronavírus. Quando várias cidades mantiveram o comércio funcionando, Colatina fechou as portas das prestadoras de serviço, do comércio e manteve apenas os trabalhos essenciais em atividade. Fechamento de bares, suspensão de aulas, decretos que restringem uma série de ações do cidadão comum. Mesmo com a adoção dessas ações governamentais, do sacrifício de vários setores que sustentam a vida econômica da cidade como comércio, setor de entretenimento e vários outros, Colatina continua amargando o último lugar em isolamento social no Estado por quatro vezes nos últimos 10 dias.

Uma polêmica, na última semana, ocorreu no município quando o Prefeito Sergio Meneguelli tomou mais uma medida para combater o avanço do vírus e estabeleceu novos horários de funcionamento de alguns setores, que segundo lideres do comércio não agradaram os lojistas.

A prefeitura fez sua parte buscando meios para amenizar o crescente do número de casos da pandemia. Os empresários se sacrificaram e, mesmo à contra gosto cumpriram o decreto rigorosamente; no entanto não foi o suficiente para que Colatina não amargasse na última quinta-feira (15) o último lugar em isolamento social (40,6%) em todo o Estado.

A baixa adesão às medidas de isolamento social reflete diretamente no comportamento da doença na cidade. Nos últimos 10 dias, os casos de coronavírus quase triplicaram em Colatina. Entre  a quarta-feira (7) e domingo (17), o número de diagnósticos positivos da doença saltou de 38 para 112 casos. 

A percepção de que a falta de adesão ao isolamento social é o motivador do aumento de número de casos de Covid-19 é questionado por grande parte da sociedade colatinense. As justificativas para não se cumprir o isolamento social vão desde a necessidade de trabalhar para prover o sustento da família. “Eles pedem pra gente ficar em casa, mas quem paga as minhas contas?”. revela um vendedor ambulante, pai de três filhos, todos menores que recorreu a ajuda financeira do Governo Federal . Ao ” Cansei de ficar em casa, to de máscara, eu e minha família”. disse a mãe, com seu esposo e três filhos. Dos cinco componentes da família nuclear, dentro de um supermercado no centro da cidade, ela estava de máscara e os outros 4 com as máscaras no queixo.

Governante que determina medidas impopulares para conter a pandemia causa desgaste no relacionamento entre setores da sociedade organizada e do poder público;  Comércio, indústria e vários ramos sofrem com uma das maiores crises financeiras da história de Colatina, que estão cumprindo os decretos e o seu papel no combate ao vírus; Medidas são tomadas que não surtem os efeitos desejados, que é comprovado pelo aumento de 200% dos casos confirmados de Covid-19 em dez dias na cidade.

O panorama é  preocupante para uma semana que começa com:

– 3 óbitos;

– 7 internados;

– 48 casos em isolamento domiciliar;

– 112 casos confirmados;

– 549 casos notificados;

– 133 notificados sem coleta de amostras;

– 54 pacientes curados  

” Se todos não participarem e saberem que cada um é responsável pelo outro, não vamos vencer. Vamos adoecer, morrer e adeus vida. Para o vizinho a morte na minha família não lhe trás dor, mas para a minha família quando perde um ente querido a dor é insuportável. Não traga doença para sua casa, pois ela está ali atrás daquela porta, pedindo para você ir buscá-la”. O relato é de uma jovem, Amélia Ferreira Bittencourt, moradora do Rio de Janeiro, escrito em 1919 quando a Gripe Espanhola causou 50 mil morte no Brasil. 

Foto: centro da cidade de Colatina captada nas redes sociais      

Mais Notícias

Deixe um comentário