Série sobre João de Deus no GloboPlay mostra médium em Colatina

Share on facebook
Share on whatsapp
Share on google
Share on twitter
Share on email
Share on print

Quem assiste o “Em nome de Deus”, documentário original do Globoplay, que fala da vida do Médium João de Deus, vê história e polêmicas por trás da fama do médium que foi denunciado por centenas de mulheres que o acusaram de estupro. Mas vê, também, nos episódios 4 e 5 cenas que revelam cerca de 13 mil pessoas que buscaram seus trabalhos espirituais em 8 e 9 de janeiro de 1996, em Colatina.

Nas imagens de Colatina, cedidas pela repetidora da Rede Globo no Estado, TV Gazeta, é possível ver filas de fiéis aguardando atendimento e comprando itens que o médium anunciava como um preparado fluidificado feito à base de ervas importadas da índia. O “remédio” espiritual, na ocasião, era comercializado por R$ 3 cada frasco e prometia complementar o tratamento de cura.

Na época em reportagem pela Rádio Difusora de Colatina, o repórter Carlos Cavalcante, disse ao vivo em um programa da emissora. “Estou aqui, próximo a João de Deus, e vejo raspar os olhos, cortar sem anestesia. Olha eu me considero cético para essas questões, mas vendo essas cirurgias espirituais, é impossível você no mínimo não ficar intrigado”. Relatou o repórter que fez a cobertura do evento no ano de 1996 no Lar Irmã Scheila.

Na época também o que chamou a atenção do repórter foi à quantidade de pessoas e o tamanho da fila indiana que se formou no local. Por quilômetros as pessoas se aglomeravam na Rodovia do Café, no antigo Córrego do Ouro, hoje Carlos Germano Naumann, para tentar a cura de suas enfermidades. “Pessoas de muletas, cadeira de rodas, feridos, ricos, pobres, todos na fila a espera da cura”. Finaliza o repórter. 

Naquela época, a cura supostamente prometida não era a única coisa que era questionada. A água fluidificada e ervas importadas da Índia por João de Deus, vendidas pela equipe do médium, já eram alvo de críticas. Na ocasião, cada frasco de um preparado espiritual era vendido por R$ 3. “Já fui atendida e vou tomar os remédios. Minha mãe vai tomar né?”. Disse uma mulher que havia passado pelo atendimento de João de Deus na época como mostra a série.

ES-FALA/Informação A Gazeta/TV Gazeta/Globoplay

Mais Notícias

Deixe um comentário