Agricultores pedirão à prefeitura de Colatina indenização pelos prejuízos causados pelo adiamento do retorno da feira livre

Share on facebook
Share on whatsapp
Share on google
Share on twitter
Share on email
Share on print

Os agricultores e feirantes que trabalham na feira livre de Colatina preparam uma ação a ser protocolada no Ministério Público Estadual (MPES), requerendo indenização e uma posição segura por parte do prefeito, Sérgio Meneguelli, com relação ao retorno da feira livre municipal. 

Suspensa há quase quatro meses, desde o início da pandemia de Covid-19, a feira é uma das três maiores do Estado e a maior do norte, reunindo mais de 200 feirantes e um público consumidor cativo, que também já manifestou desejo de retorno da feira. 

“Infelizmente teremos que pedir indenização a esses feirantes que se prepararam para a retomada da feira. O nosso povo se preparou, cortou a banana, tem que cortar uma semana antes pra chegar madura na feira. Colheram as frutas, quem trabalha com embutidos, com biscoitos, produziu. E faltando três dias pra feira acontecer, recebemos a notícia de que o prefeito não ia suspender o fechamento da feira. Isso trouxe prejuízo para os agricultores feirantes. Prejuízo direto depois de 100 dias sem poder fazer a feira, que era o meio de comercialização deles”, relata o diretor de Política Agrícola da Federação dos Trabalhadores Rurais, Agricultores e Agricultoras Familiares do Estado do Espírito Santo (Fetaes), José Izidoro Rodrigues.

A ação no MPES, ressalta Izidoro, é resultado de um consenso entre a Fetaes e os sindicatos de trabalhadores rurais de Santa Teresa, São Roque do Canaã, Santa Maria de Jetibá e Colatina. “Mantemos nossa posição com relação à segurança e primamos pela garantia da saúde das pessoas. Não queremos de forma alguma fazer uma ação para colocar em risco nem os feirantes nem os consumidores”, assegura.

“Para nossa categoria é uma situação complicada, porque o agricultor é um público que gosta de fazer as coisas dele muito bem organizada. Diante dessa situação, deve ter agricultores que não estão conseguindo honrar seus compromissos, que traz problemas de natureza até emocional. Tem como encontrar uma solução para não criar esse tipo de situação. O que a gente acha muito estranho, é o que aconteceu? Dia 1 estava tudo certo, e no dia 7 mudou? Parece que a administração está tratando a coisa meio descontrolada”, observa.

Reconhecendo a grandiosidade da feira, as entidades pedem que o município encontre um local mais amplo, que permita um maior espaçamento entre as barracas, a exemplo do que vem funcionando em feiras também grandes na Grande Vitória.

A Secretaria de Estado da Agricultura (Seag) já produziu uma cartilha com orientações sanitárias de segurança e o secretário de Agricultura, Paulo Foletto, já saiu diversas vezes em defesa das feiras, como espaços seguros de comercialização, que oferecem alimentos mais saudáveis e a preços mais acessíveis para os consumidores. Condições tão necessárias nesses tempos de pandemia, em que, mais do que nunca, é preciso cuidar da alimentação e da imunidade.

Foto ilustrativa captada nas redes sociais.

ES-FALA/Informação/Fetaes/Século Diário

Mais Notícias

Deixe um comentário