Pandemia faz venda de vermífugos e antiparasitários crescer em farmácias colatinenses

Share on facebook
Share on whatsapp
Share on google
Share on twitter
Share on email
Share on print

Nos últimos dois meses de pandemia, ocorreu uma intensa procura em drogarias e farmácias de ivermectina, fármaco utilizado contra parasitas na infestação de piolho, sarna, oncocercose, estrongiloidíase,  ascaridíase e elefantíase. 

Segundo o Farmacêutico colatinense, Paulo Cezar Scárdua, a Ivermectina, tem como principal aspecto a permeabilidade da membrana celular do parasita o que resulta da paralisia e morte do mesmo. Pesquisado e criado em 1975 e lançado no mercado mundial em 1981, faz parte de medicamentos essenciais da OMS (Organização mundial da saúde). 

Líder em vendas 

O aumento de vendas tem como consequência a busca pela Ivermectina, apesar da falta de comprovação científica para o uso. No geral, esta classe terapêutica cresceu mais de 10% em representatividade em comparação com os anos de 2018 e 2019.

A segunda classe mais vendida no período, com 12% de representatividade, foi a de anti-reumáticos, como a Hidroxicloroquina, e anti-inflamatórios não esteroidais, como o Ibuprofeno. Empatados em segunda posição, também com 12%, estão os analgésicos e antipiréticos, como Dipirona sódica e Paracetamol, medicamentos anti térmicos que são utilizados no tratamento dos sintomas do covid-19.

Atenção aos riscos 

A infectologista Rubia Miossi destaca que a automedicação é sempre muito perigosa, especialmente quando se trata de uma doença que ainda está em estudo. “Ninguém deve sair tomando remédios de forma aleatória e sem prescrição. Não é necessário nem indicada essa corrida às farmácias. Nem faz sentido se encher de vermífugos, anti gripais ou vitaminas sem orientação”, alerta.

Mais Notícias

Deixe um comentário