Prefeito de Baixo Guandu diz que não há mais vagas de UTI na cidade e apela para a população ficar em casa

Compartilhar no facebook
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no google
Compartilhar no twitter
Compartilhar no email
Compartilhar no print

prefeito de Baixo Guandu Lastênio Cardoso fez ontem, em sua rede social, um apelo aos moradores da cidade para evitar ir à rua, alegando que estamos em uma guerra.

“Este inimigo é sagaz, muda de roupagem a todo momento”, afirmou o prefeito, lembrando que não temos mais leitos nem UTI. “Não morra, não dê esta tristeza para sua família e nem leve a morte para a sua casa”, falou Lastênio, acrescentando que “se puder evitar ir a rua, então evite por favor”.

A preocupação com a COVID-19 aumentou em Baixo Guandu depois da confirmação da circulação, na cidade, de uma variante inglesa do vírus, que possui maior poder de letalidade e de contágio. Este vírus, que já está na maioria dos municípios capixabas, atinge de forma grave especialmente os jovens, ou seja, não há mais um grupo de risco (idosos) específico que deve se cuidar de forma mais destacada.

Desde o início da pandemia, Baixo Guandu registra 2672 casos da COVID-19, com 50 óbitos. Ontem a Secretaria Municipal de Saúde apontava 135 casos ativos, com 12 pacientes internados – 6 no hospital local e mais 6 em UTIs espalhadas em outras cidades.

Nos últimos 7 dias, foram registrados 125 novos casos de contaminação pelo vírus em Baixo Guandu, o que atesta uma situação descontrolada de contágio.

O município está sob efeito do decreto estadual que fechou o comércio, até o dia 31 de março, só funcionando os chamados serviços essenciais. Porém muitas lojas permanecem em atividade, abertas, sem se importar com a restrição – o que tem aumentado a circulação de pessoas no centro de Baixo Guandu.

A fiscalização está atuando para evitar a abertura destas lojas que não são serviços essenciais, porém é flagrante a desobediência. Embora muitos comerciantes estejam obedecendo o decreto, conscientes da gravidade da pandemia, alguns insistem em manter o atendimento ao público.

ESFALA/Informação Folha1

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Receba notícias exclusivas diariamente no seu celular