Colatinenses que têm casas em Urussuquara, atenção: residências voltam a ser alvos de ladrões no balneário

Compartilhar no facebook
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no google
Compartilhar no twitter
Compartilhar no email
Compartilhar no print

Na época de veraneio, muitas famílias de Colatina e região se deslocam para o litoral de Linhares e também de São Mateus. No entanto, quando termina a alta temporada e os visitantes vão embora, os balneários ficam abandonados, os criminosos se aproveitam da falta de movimento e arrombam as casas. 

A insegurança aumenta, já que o efetivo policial diminui e as residências ficam vulneráveis. Um exemplo disso é o que tem acontecido constantemente no balneário de Urussuquara, que pertence a São Mateus, mas que é ocupado por muitas casas de colatinenses e linharenses. 

Quem tem residência fixa no balneário também vive momentos de revolta por conta da ação dos arrombadores. Ao que tudo indica, quem manda mesmo por lá são os larápios. “São 3 a 4 casas arrombadas pelo menos a cada 15 dias. Levam tudo, e chegam de caminhão para carregar, pois levam tudo mesmo”, conta uma moradora, que há quatro anos reside e mantém um comércio no local. 

O arrombamento mais recente, segundo a moradora, aconteceu na noite da última terça-feira (25). Ela disse que a residência é do parente de uma ex-deputada estadual e que levaram alimentos, eletrodomésticos, utensílios da cozinha, roupas de cama e até panos de prato. Nem mesmo o que estava na geladeira escapou. A moradora contou que em certos imóveis, os ladrões levam até mais de 2 camas box, o que reforça o fato de que veículos grandes são usados para transportar os produtos furtados. 

E quem pensa resolver a situação colocando grades para reforçar a segurança, tem a iniciativa frustrada. “As grades são arrancadas, as portas e janelas arrombadas, e tudo é levado. Precisamos de uma atitude urgente por parte das autoridades. Aqui, ou a pessoa tem residência fixa ou desiste da casa de praia. E se decidir morar aqui, tem que tomar bastante cuidado. Um lugar tão lindo, e sem segurança desse jeito”, lamenta a mulher. 

Com relação aos arrombamentos, a polícia não soube informar se há suspeitos em todos os casos nem se há indícios de que tenham sido realizados pelas mesmas pessoas. O clamor da comunidade é um só: aumento de efetivo da Polícia Militar e viaturas fazendo rondas nas ruas, sobretudo no período noturno.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Receba notícias exclusivas diariamente no seu celular