Polícia

Homem é preso por dirigir embriagado em Colatina

Policiais militares realizavam neste domingo (24), cerco tático na Avenida Sílvio Avidos, em São Silvano, Colatina, quando abordaram uma motocicleta Honda Biz. O condutor A.S.F.,

Pancas registra quatro tremores de terra em menos de cinco horas, afirma rede sismográfica

Compartilhar no facebook
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no google
Compartilhar no twitter
Compartilhar no email
Compartilhar no print

O município de Pancas, situado na região Noroeste do Espírito Santo, registrou um total de quatro tremores de terra entre os períodos de 20h14 e 00h30. O primeiro tremor foi sentido por alguns moradores da localidade de Lajinha do Pancas na noite da última terça-feira (13).

Os tremores foram confirmados pela Rede Sismográfica Brasileira (RSBR) e detectados pelo Centro de Sismologia da USP. O primeiro tremor, registrado às 20h14 foi sentido pelos moradores. Este é o terceiro abalo sísmico registrado na região em um intervalo de dois meses.

De acordo com a RSBR o tremor em Pancas apresentou magnitude de 1.4 na escala Richter, classificação considerada baixa.

Além desta ocorrência, a rede sismográfica também apontou o surgimento de outros três tremores de menor magnitude entre 23 horas e 00h30. 

RELEMBRE O FATO

A terra tremeu pela terceira vez em Lajinha do Pancas, Distrito de Pancas, cidade a 59 km de Colatina. Desta vez, segundo relato de moradores, o abalo sísmico foi sentido por todos os moradores da sede do distrito.

Às 20h14, desta terça-feira (13), os moradores do Distrito de Lajinha do Pancas, ouviram um estrondo que pôde ser ouvido por todos os moradores da comunidade, após o barulho, as pessoas sentiram o chão tremer por alguns segundos ao ponto de algumas pessoas de desequilibrarem.

A proprietária de uma sorveteria local, Scheila Haese, conversou com a reportagem do Portal de Notícias ESFALA, sobre o abalo sísmico. “Quando ouvi o barulho, pensei que estavam explodindo o banco, pois foi muito alto, aí, senti o chão tremer, até me desequilibrei”. Revela a moradora.

Após o fato, os moradores saíram de suas residências e foram para o meio da rua, ao se encontrarem perceberam que, desta vez, o abalo foi mais intenso do que os outros dois que ocorreram nos mês de maio. O primeiro ocorreu no dia 11 de maio e o segundo tremor de terra, no dia 26.

Parede de uma residência de Lajinha de Pancas após o abalo sísmico

Segundo moradores, pesquisadores já foram ao local para tentar desvendar o fenômeno físico, mas até então não informaram a comunidade porque os tremores estão ocorrendo com tanta frequência. 

Populares, comentam de forma empírica, que por Lajinha do Pancas ter sido construída em cima de uma laje, com passar dos anos, pode está ocorrendo algum fenômeno que tenha relação com o local.

De acordo com a Rede Sismográfica Brasileira, o novo tremor, de magnitude preliminar de 1.4 na escala Richter.

Mesmo com o abalo mais forte do que as outras vezes, nenhum habitante sofreu ferimentos. 

HISTÓRICO DE TREMORES NO ES

No dia 12 de maio deste ano, moradores da mesma região presenciaram um forte estrondo, seguido de um tremor de terra. Apesar do susto, não houve registro de danos físicos ou materiais.

A Rede Sismográfica Brasileira informou que o abalo sísmico aconteceu em Águia Branca, cidade vizinha de Pancas. O tremor foi 1.3 pontos de magnitude, que é uma classificação considerada baixa.

Duas semanas depois, no dia 26 de maio, a terra voltou a tremer em Pancas. O novo abalo sísmico também foi registrado na região pela Rede Sismográfica Brasileira (RSBR). 

Em 2020, um leve tremor de terra de magnitude 2.0 foi sentido por moradores das cidades de Vitória, Vila Velha e Serra no mês de junho. Nas redes sociais, muitas pessoas relataram que ouviram um barulho semelhante a um trovão e janelas tremendo.

A estação da Rede Sismográfica Brasileira registrou o evento, que foi o terceiro tremor de terra registrado no estado do Espírito Santo em 2020. O primeiro tremor ocorreu no dia 24 de fevereiro em Ecoporanga, e teve magnitude de 1.8.

Já o segundo evento foi no dia 17 de maio, de magnitude 2,8, registrado na Plataforma Continental do Espírito Santo, no norte capixaba, a 350 milhas da Bahia. O Corpo de Bombeiros informou que não recebeu nenhum acionamento.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Receba notícias exclusivas diariamente no seu celular