Cidade a 72 km de Colatina registra a primeira morte por Covid-19. “Houve falha grosseira no atendimento”, Diz cunhado da vítima

Share on facebook
Share on whatsapp
Share on google
Share on twitter
Share on email
Share on print

A cidade de Santa Maria de Jetibá a 72 km de Colatina teve a primeira morte por Covid-19. A vítima foi Zenidalva Aparecida Corona Majeski, de 52 anos. Os sintomas iniciaram no Domingo de Páscoa e veio a óbito neste sábado (25). A sua procura por atendimento, iniciou-se no mesmo dia que sentiu os primeiros sintomas, passou por médicos, mas por um diagnóstico supostamente tardio, quando iniciou o “tratamento” de Covid-19, não houve reação aos medicamentos e veio a óbito.

Em um programa de rádio na cidade de Santa Maria de Jetibá o Deputado Estadual Sérgio Majeski, cunhado da vítima, relatou com detalhes a luta que sua familiar teve para conseguir um diagnóstico preciso, tanto em Santa Maria de Jetibá quanto em Santa Teresa. “No caso da minha cunhada, houve salvo engano, negligência de atendimento primário”. Revela o Majeski.

No domingo de Páscoa, Dona Zenidalva, começou a se sentir mal, os indícios eram do início de uma gripe, mas os sintomas foram progredindo e na terça-feira (14) teve a necessidade de buscar um atendimento médico e foi a Policlínica Dr. José Carlos Herbest (AMA), com tosse e dor de cabeça. Foi medicada como uma possível gripe e foi solicitado a sua volta para casa e ficar de repouso.

No dia seguinte, foi ao Hospital Beneficente Concórdia, tendo os mesmos sintomas, mas com um início de falta de ar. Foi colocada no soro, ministrado alguns medicamentos e pedido por parte do profissional de saúde um hemograma tendo objetivo de descartar doenças como Dengue, Chikungunya e outros. O médico que atendeu a primeira vítima de Covid-19 em Santa Maria de Jetibá, não conseguiu identificar os sintomas como caso suspeito de coronavírus.

Com muito cansaço, falta de ar e tosse, procurou novamente a AMA, foi pedido um novo hemograma e novamente não foi notificado o caso e não solicitaram o exame de Covid-19. “Pelos sintomas que minha cunhada estava sentindo, deveria ser um caso suspeito”, afirma Majeski.

Piorando cada vez mais, no domingo à noite, percebendo que em sua cidade o tratamento prescrito pelos médicos não estavam surtindo efeito, tomou a decisão de ir para a cidade de Santa Teresa, aonde foi colhido o material para exame de Covid-19. A profissional de saúde que atendeu disse para voltar para casa e ficar em isolamento social, até sair os resultados dos exames.

Na última terça-feira, 21 de abril, com muita falta de ar e tosse, foi encaminhada para o Hospital Jayme Santos Neves, onde foi diagnosticada com uma pneumonia aguda. Com uma suspeita acentuada de que a causa da doença seria o novo coronavírus, iniciou-se o tratamento. A certeza de que a causa de sua doença era por causa do Covid-19 ocorreu na quinta-feira (23), quando saiu o resultado do exame solicitado.

Após 14 dias, a proprietária de um dos restaurantes mais frequentados da cidade, não suportou as complicações ocasionadas pelo vírus e neste sábado (25) veio a falecer. “A demora no diagnóstico contribuiu muito, se os médicos no início, pelo menos, tivessem pedido um simples Raio-X, já teriam percebido”. Relata emocionado o Deputado Estadual Sérgio Majeski.

Zenidalva Aparecida Corona Majeski, empresária no ramo de restaurante em Santa Maria de Jetibá deixa o esposo Joel Majeski e dois filhos. O sepultamento ocorreu, sem velório, no sábado (25), as 15 horas.

Mais Notícias

Deixe um comentário