Reabertura do comércio em Colatina foi de forma lenta, mas com otimismo

Share on facebook
Share on whatsapp
Share on google
Share on twitter
Share on email
Share on print

O comércio de Colatina após a reabertura voltou timidamente segundo lojistas do município. Após 30 dias de portas fechadas na quarta-feira, 22 de abril, o comércio retomou as atividades, para quem imaginava a volta da normalidade de imediato se contentou com um recomeço lento, mas já esperado por alguns empresários.

Segundo o Presidente do Sindlojistas Junior Menegatti. “Não dá para comensurar as perdas em valores, só imaginar algumas lojas sem faturamento por 30 dias, outras que puderam abrir no decorrer da quarentena ou mesmo com delivery, tiveram um faturamento bem abaixo do normal. Afirma Menegatti.

Mas existem setores que reabriram a tiveram já um aquecimento substancial nas vendas, foi o caso de uma ótica em Colatina que ao reabrir, no mesmo dia teve uma retomada de venda positiva. “Graças a Deus reiniciamos com muito otimismo, foi um período difícil, mas permanecemos na mídia dizendo que iriamos promover ao abrir as portas e está surtindo efeito”. Revela os proprietários de uma ótica na Avenida Getúlio Vargas.

Mas nesse recomeço além das dificuldades dos lojistas, também ocorrem as demissões de funcionários devido a crise gerada pelo Covid-19. Segundo Menegatti: “Demissões ocorreram e só não foram ainda maiores pois o governo federal agiu permitindo a suspensão do contrato de trabalho e redução da jornada”. Ainda não existe um levantamento dos órgãos competentes sobre a quantidade exata de demissões.

A expectativa é que com o decorrer dos dias, se não houver novo fechamento do comércio, a normalidade em nível de vendas volte a ocorrer. Para muitos comerciantes e prestadores de serviço o futuro é uma incógnita, pois segundo os decretos Estadual e Municipal, se houver uma elevação dos casos do novo coronavírus, novamente serão suspensas as atividades comerciais e alguns prestadores de serviço. 

“Estou abrindo as portas com um sentimento de recomeço e por não saber o que ocorrerá amanhã, não irei fazer investimentos, vou com calma e repondo racionalmente meu estoque”. Comenta o gerente de uma perfumaria em São Silvano.

Ainda não foram disponibilizados pelos órgãos competentes, os números exatos do prejuízo ocasionado pelas medidas adotadas para combater o Covid-19 em relação ao prejuízo do comércio e das indústrias do município. Mas mesmo diante das dificuldades de empresários e colaboradores e percebido um otimismo de que as coisas voltarão ao normal. “Temos que acreditar, isso nos mantém vivos no comércio e é hora de ousar. Não dá para ficar parado esperando que as coisas aconteçam por si só. O consumidor está em casa, temos que buscá-lo através de estratégias, que nos darão novamente o fluxo que precisamos para romper esse período”. Diz Lídia. G, comerciante as anos em São Gabriel da Palha e que inicia sua trajetória em Colatina como lojista”.

Mais Notícias

Deixe um comentário