Explosão de casos de COVID-19 em Baixo Guandu teve origem única

Share on facebook
Share on whatsapp
Share on google
Share on twitter
Share on email
Share on print

Os casos específicos das cidades de Baixo Guandu e Ecoporanga, que durante 45 dias conseguiram evitar com muito esforço a chegada da COVID-19, mas perderam a luta a partir de um caso único da doença, onde o contaminado não observou o isolamento e disseminou o vírus.

O resultado tanto para o Guandu quanto para Ecoporanga foi desastroso: a partir deste primeiro caso o número de contaminados cresceu assustadoramente, num processo de transmissão onde não foi respeitado o isolamento social.

Segundo matéria replicada pelo site Folha1, da cidade de Baixo Guandu, o caso que originou a transmissão foi de um proprietário de uma Van, que buscou mercadorias em São Paulo, entregou pessoalmente no comércio e frequentou normalmente vários outros lugares, desencadeando a transmissão do vírus. Quando sentiu os sintomas e procurou socorro médico, ” o estrago já estava feito”. Esta pessoa, por sinal, já está curada, mas dela desencadeou-se a circulação do vírus que resultou, atualmente, em número significativo de contaminados

O prefeito de Baixo Guandu Neto Barros até admite o Lockdown na cidade, mas na quarta-feira (20) fez uma reunião de emergência com a CDL e o pessoal da Saúde do município e a medida ainda não foi tomada.

“Se nós nos organizarmos, reforçando o isolamento social e mantendo todos os cuidados, poderemos evitar mais mortes e o agravamento da crise econômica, que já está também preocupando muito”, disse hoje o prefeito Neto Barros.

Baixo Guandu conduziu de forma muito elogiada a prevenção à pandemia, evitando por 45 dias a chegada da COVID-19 no município. Porém um caso isolado, onde faltou conscientização da necessidade de isolamento, desencadeou a crise.

Dos casos confirmados em Guandu, 5 são de pessoas que residem em outras cidades e foram diagnosticadas aqui mas já voltaram para suas cidades de origem. Tirando um óbito e os 20 curados, mais os de fora, são 17 casos ativos na cidade, que ainda tem 53 casos suspeitos aguardando resultado.

O prefeito Neto Barros alerta que a crise sanitária é grave e exige de todos responsabilidade neste momento. Neto voltou a pedir o isolamento social , o uso (obrigatório) de máscaras de proteção e diz que aguarda a evolução da doença para, se for preciso, decretar o Lockdown.

O prefeito espera, no entanto, que esta medida extrema pode ser evitada se a sociedade se unir na luta contra a disseminação do novo coronavírus.

ES-FALA/Informação Folha1.

Mais Notícias

Deixe um comentário