Coronavírus: Colatina contabiliza, nesta quarta, 280 mortes. Veja o percentual de pessoas que não voltaram para tomar a segunda dose da vacina

Compartilhar no facebook
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no google
Compartilhar no twitter
Compartilhar no email
Compartilhar no print

O boletim Covid-19, que é publicado diariamente pela Secretaria Municipal de Saúde, contabiliza 280 óbitos até esta quarta-feira (14). Foram registrados 69 novos casos da doença contra 91 curas registradas. Nesta terça-feira (13), foram contabilizadas 2 mortes.

O total de casos confirmados da Covid-19 até a presente data é de 17.512 pessoas que foram contaminadas desde o início da pandemia. Destes encontram-se clinicamente curados 16.604. Dos contaminados, 565 estão em isolamento domiciliar. 

Na rede hospitalar tanto nos hospitais públicos como nos privados estão internadas 63 colatinenses.

NÃO VOLTARAM PARA TOMAR A SEGUNDA DOSE

No Espírito Santo, três em cada dez pessoas não voltaram para tomar a segunda dose da vacina contra a covid-19. A informação foi dada pela coordenadora de Imunizações da Secretaria de Estado da Saúde, Danielle Grillo Pacheco Lyra.

“Toda vez que temos multi doses é mais difícil o esquema operacional. Aqui no estado esse dado é passível de atualização, mas nós contabilizamos que 28% da população não retornou para tomar a segunda dose dentro do prazo”, afirmou Danielle. 

A orientação da Sesa é que, mesmo que ultrapasse a data, a pessoa deve fazer o agendamento para tomar a segunda dose.

“Temos distribuído para os municípios as segundas doses de vacinas sempre depois de três semanas após a primeira dose. Isso porque quando chegar a hora a pessoa já terá o imunizante disponível. Em relação a AstraZeneca é a mesma lógica, porém com o tempo maior para distribuição”, ressaltou a coordenadora. 

Atualmente o estado tem recebido duas vacinas, a AstraZeneca, de Oxford, Estados Unidos, e a CoronaVac, desenvolvida pelo Instituto brasileiro Butantan em parceria com o laboratório da China. 

Ambas vacinas possuem duas doses. A AstraZeneca tem um período maior para a aplicação da segunda dose, são necessárias no mínimo 12 semanas; o que equivale a aproximadamente três meses. Já a segunda dose da CoronaVac precisa ser aplicada quatro semanas depois da primeira, ou seja, um mês.

A diretora da regional do Espírito Santo da Sociedade Brasileira de Imunização (SBIm), Ana Paula Burian, acredita que as pessoas não estão retornando por três motivos:

– Não conseguem agendar a segunda dose;

– Esquecem; 

– Acreditam que uma dose é suficiente. 

“A segunda dose não é agendada automaticamente. O paciente precisa entrar no sistema e marcar. Mesmo saindo do posto de vacinação com uma possível data para a segunda dose, ele precisa fazer o agendamento pelo sistema igual fez na primeira vez”, frisou a médica Ana Paula.  

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Receba notícias exclusivas diariamente no seu celular