De fechamento de supermercado ao adiamento do regresso da feira livre. Conheça o novo decreto assinado por Meneguelli

Share on facebook
Share on whatsapp
Share on google
Share on twitter
Share on email
Share on print

O novo decreto municipal emitido pelo Prefeito de Colatina Sérgio Meneguelli nesta terça-feira (7), cria mais restrições às atividades comerciais no município. O objetivo, é combater de forma mais incisiva o avanço da pandemia do novo coronavírus em Colatina, que segundo o último boletim emitido pela administração já tinha 2.069 de casos confirmados, sendo que destes, 50 pessoas estão internadas e 1.112 estão em tratamento domiciliar e 41 mortes já foram contabilizados.

O novo decreto traz o fechamento dos supermercados do município nos próximos dois finais de semana, ou seja, próximos sábados (11 e 18) e domingos (12 e 19), com isso, a prefeitura pretende diminuir a aglomeração das pessoas nesse setor que é considerável indispensável.

Uma outra decisão tomada nesta terça-feira foi sobre o adiamento do retorno da feira livre. Esta decisão estava sendo aguardada, pois somente seria definido pelo Prefeito Meneguelli, se houvesse uma estabilização ou melhora nos índices do avanço do novo coronavírus no município. A nova data estipulada para o reinício da feira livre na antiga área de festa da Avenida Delta, será o dia 27 de julho, mas da mesma forma, com possibilidades de ter nova alteração, pois a definição depende do número de casos, ocupação de vagas de UTI e outros dados técnicos que norteiam a administração para tomar as decisões.

No que diz respeito ao horário de atendimento e dias de funcionamento, não ocorreu nenhuma modificação. Com isso o comércio continuará funcionando em dias alternados, de segunda a sexta-feira, no horário de 10 às 16 horas.

Nos dias pares estarão com as portas abertas o comércio de “consumo pessoal”: vestuário, calçados, cosméticos, acessórios, óticas, artigos esportivos e segmentos afins. Já nos dias ímpares será a vez dos segmentos do comércio de “consumo não pessoal”: eletrodomésticos, móveis, materiais de construção, agências de veículos, lojas de celulares, informática e segmentos afins.         

Mais Notícias

Deixe um comentário